Duo Multueira : Resenha do CD + Entrevista exclusiva com o Duo !

Em 20.08.2017   Arquivado em Destaque, Dicas, Música, Resenha
Duo multueira arte

Arte por Mariana Chinato

 

Demorou mais saiu! Hoje temos um post muito especial no blog, sobre o Duo Multueira. O Duo é composto por Pedro Henrique Silva (violão e voz) e Beatriz Woeltje Schmidt (percussão e voz) e foi formado no ano de 2014.

Eu tive a sorte de entrar na mesma turma da faculdade de música (UDESC) deste dupla de músicos e ver a caminhada deles um pouquinho mais de perto. No último dia 08 de agosto fui prestigiá-los no show de lançamento do seu primeiro CD que aconteceu no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) às 20h em Florianópolis.

Para produzirem e lançarem seu CD homônimo, o Duo lançou uma campanha pelo site Benfeitoria. A campanha pelo Benfeitoria contou com a ajuda financeira de 152 pessoas! Incrível, não? Fora outras pessoas que ajudaram de outras maneiras além do site. No Benfeitoria, cada quantia doada gerava uma recompensa para o doador. Por exemplo: Se você doasse 30 reais ganharia uma cópia do CD mais agradecimento especial no encarte e nas redes sociais. Se doasse 60 reais receberia uma cópia do CD, agradecimento no encarte do CD e nas redes sociais e mais uma blusa com a logo do Duo. E assim sucessivamente… Quanto mais você doasse, mais recompensas você teria.

O dinheiro arrecado pelo Duo na campanha foi aproveitado na seguinte forma:

 

Imagem retirada no site do Benfeitoria do Duo Multueira

Você pode ver mais detalhadamente o que foi feito em cada etapa pelo site Benfeitoria/DuoMultueira. Foi tudo muito transparente e bem feito e pudemos ver isto refletido no dia do show de lançamento.

Gravado e masterizado no ValveState Studio, com a mixagem de Francis Pedemonte e a produção artística de Luanda Wilk, o CD também contou com participações especiais de músicos como Nico Nicodemos, Elias Zanon, Israel Dutra, Fábio Melo e Bruno Arceno, os quais também estiveram presentes no show de lançamento no TAC.

Foi interessante acompanhar o Duo se formar, se desenvolver, gravar seu primeiro trabalho, vê-los crescer desde os primeiros shows até agora e perceber um amadurecimento claramente estampado de cabo a rabo nas faixas do seu primeiro CD.

Foto por Laura Biasi

A arte gráfica do álbum é linda, divertida, leve e consegue traduzir o sentimento que as músicas nos transmitem. Proeza esta da artista  Mariana Chinato, responsável pela arte gráfica do CD.

A voz de Pedro soa afinada, limpa, harmoniosa e na medida certa ao se entrelaçar com os outros instrumentos. Já Beatriz nos encanta desde o seu backing vocal até o seu manejo incrível que soa e ressoa ao tocar seus diferentes instrumentos de percussão.

Para quem já acompanha o Duo como eu, já  está ciente e conhece as participações especiais de alguns músicos como Nico Nicodemos em Mulher Beleza, de Elias Zanon e Israel Dutra em Sertão e Zé Otávio em Domingo de Almoço. Todos também são impecáveis e se entrelaçam nas melodias naturalmente. Mas a novidade no CD foi a participação de Fábio Mello no sax tenor e soprano na faixa “Temporal” e de Bruno Arceno na guitarra, em “Lágrimas do Paraguay“, e o que não é surpresa, também se encaixaram perfeitamente nos arranjos musicais.

Cada participação especial conseguiu ser fiel à proposta musical do Duo, sendo que ao mesmo tempo foram capazes de transferir um pouco de si e das suas experiências musicais, refinando ainda mais cada faixa, deixando “um gostinho de quero mais” para os ouvintes, sejam eles leigos ou profissionais da música.

Um trabalho como esse é difícil de classificar, mas cada faixa é única e diferente do que estamos acostumados ouvir hoje em dia nas rádios. É música autoral para se deliciar, seja curtindo ao ouvir sozinho no quarto, no carro, ou num Domingo de almoço com a família.

Mas é incrível como mesmo o CD estando maravilhoso, é ainda mais incrível assistir o show ao vivo e ver a sintonia do Duo e dos outros músicos. A experiência visual do show é diferente da auditiva promovida pelo CD, pois ao vivo podemos nos deliciar com a atmosfera intimista presente desde a montagem do cenário até a própria performance, o que nos convida e incita a curtir o show sem nunca piscar os olhos. Uma das experiências visuais que sempre me encantam é ver  as movimentações da Beatriz mudando de instrumento para instrumento e transformando cada música ao lado de Pedro Henrique.

Entrevista exclusiva com o Duo Multueira

Eu não podia deixar de aproveitar uma oportunidade de entrevistar o Duo Multueira sendo que eu os admiro, os vi crescer, os conheço e estudei com eles. A ideia inicial era fazer uma entrevista ao vivo mas não foi possível devido a minha agenda e a do Duo que não coincidiu. Mas entrei em contato com os dois via internet e perguntei se gostariam de responder a entrevista online, e claro, eles aceitaram! Agradeço aos dois por isso! Acho que o público e os fãs de vocês vão ter uma chance de conhecer um pouco mais sobre vocês e seu trabalho, além de divulgar para aqueles que ainda não os conhecem !

Sem mais delongas acompanhe a entrevista abaixo:

Foto por Laura Biasi


Como surgiu o Duo? E da onde surgiu a ideia do nome “Duo Multueira”?

Beatriz – O Duo surgiu quando o Pedro me convidou para tocar e arranjar as músicas que ele estava compondo, fizemos alguns ensaios inicialmente como trio (com um contrabaixo acústico), mas com alguns imprevistos acabamos ficando como Duo e achamos essa sonoridade, um pouco mais crua, mais interessante. Já o nome do Duo, surgiu a partir da música/poema “Multueira” já composta anteriormente pelo Pedro Henrique, achamos interessante o nome e acabou pegando.

Pedro – Isso, mas acho que os primórdios são de antes né? Quando tivemos ideia de nos juntarmos para montar repertório para tocarmos em bares. Daí surgiu a vontade de fazer só o som autoral.


Quais suas maiores influências musicais? Como você definiria o estilo musical de vocês?

Beatriz – É difícil classificar ou definir o que somos. As influência também nunca foram claras para mim, acho que vem muito da nossa formação auditiva, de observar outros artistas e absorver o que nos toca mais, e com isso tentar transmitir um pouco desse aprendizado quando tocamos para os outros. Acho que também nós dois nos influenciamos musicalmente (rs) e aprendemos muito um com o outro.

Pedro -É, quando pedem para classificar, num geral eu tento nos colocar no universo da MPB, mas isso é muito amplo, e abrange muitas referências… Tudo que é feito de música no Brasil, para as pessoas, é popular, enfim…divagações, hehe! Mas eu tenho umas influências bem fortes, no jeito de escrever, de cantar, de ritmar as canções. Que passam desde Chico César, Lenine, Alceu Valença, Tom Zé, João Bosco e caminham pras origens dos cantos de terreiros, de folguedos, as manifestações populares. Tudo isso é linha, pra gente costurar (:

Duo MultueiraCrespa produções (Lucas Barbosa e Ana Castello)


Qual foi ou quais foram os maiores desafios de vocês no processo de gravação do CD? Como foi o processo de escolha das músicas? Qual o sentimento de lançar o seu primeiro CD?

Beatriz – De modo geral, o processo de gravação foi um grande aprendizado, percebemos que o Duo tem muito a crescer ainda e essa experiência nos fez caminhar nessa direção. A escolha do repertório do CD foi por conta dessas 10 músicas serem as primeiras que arranjamos, apresentamos e tocamos juntos. O sentimento é de muita gratidão a todos(as) que nos ajudaram a lançar esse CD e também de muita felicidade, agora é pensar nos próximos passos.

Pedro – O estúdio, num processo de gravação assim, com tempo contado e mil expectativas, se torna muito intimidador e encantador ao mesmo tempo! Foi uma delícia sentir a adrenalina do “as véras”, hehe, é um passo a mais no sentido profissional da coisa. Gravar, planejar, se organizar, escolher as faixas, fechar os arranjos, a pré produção, o projeto de financiamento ” correndo” tudo girando, muito novo, muito seguros do som que queríamos, e muito contentes, com todas parcerias conquistadas. Todo o processo, nos movimentou muito, foi lindo. Felicidade de termos registrado esse trabalho.

Quais os principais obstáculos que vocês venceram para chegar até aqui? Como as dificuldades no meio artístico, no meio de produção, gravação…

Beatriz – O principal obstáculo foi arrecadar recursos para gravarmos o CD e lançarmos com um show. A plataforma de financiamento coletivo da Benfeitoria nos ajudou muito com isso. Através do site conseguimos arrecadar o suficiente para lançarmos o CD, e ficamos muito felizes com isso. Claro que não foi tão simples, a elaboração do projeto, divulgação constante, e material (foto e vídeo) para lançar a campanha requer muito trabalho e dedicação. Se formos lançar mais um álbum via financiamento coletivo repensaríamos alguns passos, mas ficamos felizes que no final deu tudo certo.

Pedro –  É, eu diria que essa foi a dificuldade do projeto em si, mas que conseguimos agitar e levantar o recurso necessário. Mas num geral, as condições e oportunidades pro artista, no Brasil, e aqui em Floripa, não são tão simples. É sempre uma função, ir tocar, os gastos, a falta de cachê, de apoio, de parcerias. Mas o amor ele pesa bastante na balança, e dá uma adocicada nas correrias.

Duo MultueiraFoto por Crespa produções (Lucas Barbosa e Ana Castello)


Qual a sua música favorita do CD?

Beatriz – É difícil escolher uma. Acho que maldito coração pelo arranjo não tão óbvio e nuances constantes.

Pedro– É, é difícil! Mas eu gosto muito de Temporal, porque me conquista muito as quebras de ritmos e essa pegada mais impulsiva e explosiva. Mas também tem a Bisa… Sutilezas… É complexo escolher, hehe.


Onde as pessoas podem adquirir o CD de vocês?

Beatriz – Com a gente mesmo: Pedro Henrique Silva e Beatriz Schmidt ou com a nossa produção através do e-mail duomultueira@gmail.com

Pedro- Isso, só pedir que a gente envia ou nos encontramos para entregar. Mas todo o CD está disponível nas plataformas de reprodução, Spotify, Deezer, e também no Soundcloud. Só buscar Duo Multueira (:


O show de lançamento correspondeu à expectativa de vocês?

Beatriz – Com certeza! Foi muito bonito ver o grande público que compareceu apoiando e compartilhando aquele momento e também de poder fazer o show com todos os músicos que participaram do CD foi muito bacana. Ficamos muito felizes, de verdade!

Pedro– Total!!! Foi lindo demais, tudo no seu lugar, as passagens, as entradas!


Quais os próximos passos e planos do Duo?

Beatriz– Os próximos passos são planejar novos show para divulgar mais nosso CD e nosso trabalho e também trabalhar nas outras músicas que ficaram de fora do álbum para que futuramente se transformem no segundo CD do Duo Multueira.

Pedro – É, conseguir fazer um circuito, uma circulação seria muito bacana. E divulgar o material nas redes, espalhar pro povo ouvir. E isso, bolando e planejando o próximo material. A próxima estética-atmosfera-pegada!

Incrível, não? Como eu já tinha falado lá em cima antes da entrevista, também acho difícil escolher uma música. Mas quem não fica curioso para saber o que músicos pensam da própria música, não é mesmo?

Em questão dos próximos passos do Duo espero de alguma forma estar contribuindo para a divulgação do mesmo aqui no Blog. Um trabalho deste tipo merece destaque e chance de brilhar Brasil afora. Quem sabe publicando esta resenha aqui mais gente tenha acesso a esse trabalho incrível! Não esqueça que para ouvir o trabalho deles é só procurar pelo Duo Multueira  no SpotifyDeezer e no Soundcloud. Já se quiserem adquirir o CD é só entrar em contato pelo e-mail duomultueira@gmail.com.

Se gostaram do post não esqueçam de curtir e compartilhar nas redes sociais! Assim vocês ajudam a divulgar o trabalho do Duo e o meu trabalho. Se quiser que eu conheça o seu trabalho musical é só entrar em contato comigo através da aba “Contato” acima dos posts em destaques!

Termino o post com um vídeo publicado no próprio canal do Duo que mostra um pouco do processo de gravação do CD. Até a próxima!

Resenha do livro “Até o fim da queda” de Ivan Mizanzuk (Editora Draco)

Em 30.06.2017   Arquivado em Destaque, Resenha
 Até o fim da queda
Até o fim da queda
Autor (a): Ivan Mizanzuk
Editora: Draco
Páginas: 244
Ano: 2014
Amazon | Submarino
Hoje trago para vocês a resenha de  “Até o fim da queda“,  livro publicado no ano de 2014 pelo autor brasileiro Ivan Mizanzuk. Este livro foi concedido em versão digital pela Editora Draco por meio da parceria do blog com a mesma (Para saber como funciona esta parceria leia este post).
 Dentro do universo ficcional do personagem Daniel Farias, é publicado um livro baseada num fato ocorrido no passado. Este é o ponto central da obra “Até o fim da queda” escrito por Ivan Mizan.

O misterioso suicídio coletivo de 7 jovens que ocorreu no ano de 1993 é o fato que ocorre no passado do universo ficcional.

Daniel Farias pesquisa sobre uma ordem secreta que opera pelo nome de “Dragão Vermelho, cujas origens remontariam a um exorcismo ocorrido no século XVI, na Espanha. Sua pesquisa tem como intuito mostrar que esta ordem estaria conectada ao suicídio coletivo de 1993.

O lançamento do seu livro ficcional que remonta à este fato, é um sucesso, mas há rumores de que muitas pessoas estariam se matando ao ler seu novo Best-Seller.

Em “Até o fim da queda”, acompanhamos as entrevistas feitas com Daniel Farias, após o lançamento do seu livro e as indagações feitas a ele sobre as possíveis mortes associadas a sua obra. Para além disso, mergulharmos nas próprias pesquisas que ele fez no seu processo de escrita.

Este livro é bem diferente do que eu estava esperando quando li a sinopse. Pensei que leria o livro que Daniel Farias, escreveu no mundo ficcional ou algo do gênero. Mas não esperava que fosse sobre o processo de escrita e as pesquisas do personagem para publicação da sua obra, ou sobre as suas entrevistas, acontecimentos e reações das pessoas sobre seu livro.

“Até o fim da queda” não possui uma narrativa com a qual a maioria das pessoas está acostumada. A linha narrativa é bastante fragmentada, como se fosse a junção de vários retalhos. Um bom exemplo disso, é uma entrevista que o personagem Daniel Farias concede para uma jornalista na televisão.  O restante transita por entre transcrições de notícias de jornais, áudios, cartas e imagens.

Por mais que seja diferente, não significa que seja negativa. O autor Mizanzuk consegue escrever de maneira fluente, tornando a leitura fácil e interessante.

Outro ponto diferente e interessante de citar, é a forma que o escritor utiliza para tornar a história mais real e ativar ainda mais a nossa imaginação. São usadas fotografias reais de pessoas para dar nome aos personagens, além de gravuras referentes às pesquisas apresentadas no livro do personagem Daniel Farias.

Quando lemos o livro e vemos as entrevistas e conversas de Daniel Farias, não temos muita certeza sobre seu caráter. Não sabemos se ele se importa realmente com as pessoas que se suicidaram e se acredita que o tenham feito por conta de sua obra, ou se ele está satisfeito com o sucesso do seu livro, independente dele ter se tornado um Best Seller em consequência da repercussão negativa que se espalhou sobre ele.

“Até o fim da queda” é classificado como “terror”, mas para mim, me parece como um livro de suspense com um quê investigativo. Certamente há “itens” que se encaixam na temática terror, mas ainda assim acredito que este termo não é o melhor ou o mais apropriado. Talvez por ser classificado assim e pela sinopse oficial apresentada, acabamos esperando algo do livro diferente da proposta original, o que pode incomodar ao longo da leitura. Mas se você tiver consciência da proposta real do livro, acredito que a leitura vai ser ainda melhor e mais completa.

Eu fico no aguardo de que o autor escreva um livro que seja “O” livro que o personagem Daniel Farias publicou na história e que levantou tantas polêmicas. Acho que seria muito interessante saber como a história foi contada e ser capaz de entender porque afetou tantos jovens. Eu ficaria interessada em comprar.

 

Nova parceira do Blog : Editora Draco

Em 25.04.2017   Arquivado em Destaque, Resenha
Editora Draco

Editora Draco

Olá queridos leitores! Tenho o prazer, felicidade e gratidão de informar sobre a primeira e mais nova parceria do blog: A Editora Draco!

Vocês podem notar que no lado direito do blog, na sidebar, temos a nova área de “Parceiros” onde se encontra o selo abaixo. Ele demonstra a nova parceria do blog.

O que esta parceria significa ?

Significa que eu e a Editora Draco estamos associados da seguinte forma: A editora me enviará livros publicados por ela e eu vou ler e fazer resenhas aqui no blog sobre os mesmos. Assim vocês podem conhecer um pouco mais das obras e lerem também se tiverem interesse.

 

Na página “Sobre” no site da editora, podemos ver o significado da palavra Draco:

Draco. Do latim, dragão.

“A palavra dragão (em inglês, dragon) vem do grego drákon, δράκων, que deriva do verbo derkomai, “olhar”, pois seu papel no mito grego é o de vigiar tesouros cobiçados. O nome tem sido dado a criaturas mitológicas muito diversas, de diferentes culturas.”

 

Qual a proposta da Editora Draco?

A Editora Draco é uma editora independente de ficção que publica e produz apenas livros originais de origem nacional e lusófona. Eles propõe expandir o mercado dos escritores brasileiros, trazendo à tona aqueles autores que estão escondidos pelo Brasil e que merecem a chance de compartilhar suas palavras com mais pessoas.

As obras da Editora Draco são variadíssimas, sendo capazes de encantar diferentes pessoas. Ela possui em seu catálogo livros de fantasia, animes, quadrinhos, romance, contos, entre outros! Não tem como não achar um livro que não seja de seu interesse!

 

Onde eu posso comprar?

A editora disponibiliza uma lista de locais onde você pode encontrar os livros.  Eles tem livros à pronta entrega! Clique aqui para ver a lista completa.
A Editora Draco trabalha tanto com livros físicos quanto com livros digitais. Mas eles incentivam muito a produção de e-books já que o valor deles sai bem mais em conta, sendo que uns deles são até mesmo disponibilizados gratuitamente.

Se você clicar aqui encontra uma lista completa dos e-books publicados pela editora até o momento.  Se divirta! Você pode até baixar algumas amostras grátis em alguns sites, como na Amazon. Assim você lê uma amostra do livro e decide se realmente quer comprar. Eu sempre faço isso com meus livros do Kindle <3

Selecionei abaixo alguns livros que me chamaram a atenção no catálogo deles. Vamos dar uma olhada?

Alguns livros da Editora Draco

UM BEIJO DE MORTE – Luiza Salazar

Meu nome é Kat, não sei se já nos falamos. Bom, pareço uma jovem universitária normal, exceto por um detalhe: tenho o poder de matar com um simples toque. No passado, isso fez com que eu tentasse me manter isolada de todos, mas também atraiu pessoas que desejavam controlar esse dom – e aí as coisas ficaram perigosas para o meu lado. Muito perigosas.Eu meio que iniciei uma guerra.

Só sei que agora estou não apenas envolvida, mas jogada bem no meio de tudo, parte de algo que ainda nem entendo, não sei em quem confiar ou qual é o meu papel. Sei também que há pessoas que se importam comigo e querem me ajudar a superar meus problemas. Mais ainda, me ajudar a acabar com um plano que pode levar a humanidade a mergulhar no caos. E entre eles está aquele que me faz ter medo de poder matar alguém com um toque. Ou um beijo…Um Beijo de Morte é um romance fantástico de Luiza Salazar, a conclusão da elogiada aventura pelas sombras iniciada em Um Toque de Morte. Kat precisa tomar o controle, entender esses segredos do passado e aprender a dominar seus poderes de uma vez por todas, antes que seja tarde demais.

Onde comprar:

Papel:     Saraiva | Amazon
E-book:  Kobo | Amazon | Cultura | Apple | SaraivaGoogle

 

ATÉ O FIM DA QUEDA – Ivan Mizankuk

Anos se passam e Daniel Farias, um popular escritor de terror, decide reconstituir o caso em sua nova obra. Durante a pesquisa, descobre histórias sobre uma ordem secreta operando em nome de um demônio, o Dragão Vermelho, cujas origens remontariam a um exorcismo ocorrido no século XVI, na Espanha.
Sucesso imediato entre os fãs, o livro alcança a lista de best-sellers e também as páginas policiais, ao se espalhar a notícia de que leitores estariam se matando após a sua leitura. Isso faz as vendas explodirem, e o mistério aumenta quando o próprio Daniel começa a ser vítima de ameaças, enquanto pais preocupados tentam boicotar o livro.
Livro de estreia de Ivan Mizanzuk, uma das novas promessas do thriller nacional, Até o fim da queda desenha através de cartas, entrevistas e artigos de jornais uma trama de conspirações e inquietudes, ao mesmo tempo em que investiga as mais profundas angústias humanas, e o preço que pagamos ao tentarmos silenciá-las. Descobrir o que se esconde no fundo desse abismo pode custar sua própria sanidade.

Onde comprar:

Papel: Amazon | Cultura | Submarino
E-book:  Amazon | Apple | Google| Cultura | Kobo

 

A MORTE É LEGAL – Jim Anotsu

Todo garoto apaixonado é um pouco ridículo. Esta é a história de Andrew Webley, um garoto muito ridículo. “A Morte é Legal” é o segundo livro de Jim Anotsu, autor de “Annabel & Sarah”, sucesso de público e crítica.

Conheça Andrew, um garoto de 19 anos que mora na cidade de Dresbel. Aspirante a escritor, sem rumo na vida e apaixonado pela melhor amiga há mais de três anos, sem a coragem necessária para se declarar. Tudo muda quando ele conhece Ive – a filha mais nova da Morte e ceifadora estagiária. A garota lhe revela uma forma de realizar qualquer desejo, incluindo o amor da garota amada: encontrar os três nomes verdadeiros da criatura mais importante do universo.

O livro se desdobra com uma galeria de personagens que inclui uma coelha niilista alérgica a si própria, uma fada do fogo, crianças perdidas, ratos e fãs de hip hop. Quando os dias começam a afundar num turbilhão de desastres, segredos antigos são colocados no tabuleiro e inúmeras vidas em risco. E a única maneira de descobrir como tudo isso termina é ler até a última página. Mas não vale ir direto.

Transitando entre o surreal e o mundano, Jim Anotsu exibe toda sua imaginação em uma obra que reúne magia, mistério, aventura e romance num universo atraente para jovens e adultos de todas as idades.

Onde comprar:

Papel: Travessa Cultura | Submarino | Saraiva | Livraria da Folha
E-book: Amazon | Apple | Cultura | Google | Saraiva  | Kobo

 

A SOMBRA NO SOL -ERIC NOVELLO

Acostumado a caminhar no limiar entre a realidade e a ficção, Armando é enviado para São Paulo com uma missão inusitada: trazer um garoto de programa de volta à vida e então lhe oferecer emprego. Recebido pelo trânsito e pelo clima cinzento da cidade, nem mesmo os anos como gerente do Neon Azul o prepararam para essa possível conversa.
Adiando o momento de encarar o cadáver, Armando remexe em uma mala com os pertences do morto e encontra um diário relatando a trajetória de Ícaro dos guetos à fama nas festas de alta sociedade e, posteriormente, seu encontro com a morte. Conforme vira as páginas do que julgava ser apenas uma agenda de telefones, a curiosidade se transforma na obsessão de saber o que há de tão especial naquele jovem para que ele mereça uma segunda chance.
Naqueles relatos escritos à base de gozos e frustrações, ele encontrará a chave para devolvê-lo ao mundo dos vivos. A Sombra no Sol, romance de Eric Novello, reúne textos publicados online entre 2008 e 2012, com intervalos irregulares. São histórias viscerais, sem pausa para respiração, que discutem o que há por trás do desejo humano em seus acertos e desvios. Um soco na boca do estômago que nem o inexplicável é capaz de amenizar. Esses vinte e nove textos, agora revistos, reduzidos ou ampliados, ganham enfim o seu capítulo final, unidos pelas reflexões de um homem que não dorme nunca, e que veio em resgate de um personagem sentenciado em uma noite de profunda tristeza de seu criador.

Onde comprar:

Papel: Travessa | Cultura | FNAC | Comix | Saraiva | Geek
E-book: Amazon | Apple | Kobo | Cultura | Google | Saraiva

 

Gostaria de agradecer a Editora Draco por esta incrível oportunidade e estou empolgadíssima para ler e fazer resenha sobre os livros! E vocês? Estão tão animados quanto eu?

Resenha: A Bela e a Fera (2017)

Em 24.03.2017   Arquivado em Cinema, Destaque, Dicas, Resenha
A Bela e a Fera (2017) - Imagem de divulgação

A Bela e a Fera (2017) – Imagem de divulgação

E chegou a tão aguardada resenha do tão aguardado filme “A Bela e a Fera” da Disney, estrelado pela Emma Watson.

Se você já me acompanha há algum tempo aqui no blog sabe que eu já fiz uma resenha sobre outro filme da Bela e a Fera, um filme francês de 2014, estrelado por ” Léa Seydoux”. Um filme ótimo,  você pode ver a resenha clicando aqui.

Bem, a Bela e a Fera é  meu filme de princesas favorito da Disney . Eu amo o fato da Bela ser assim interessada por livros, como eu haha E eu acho lindo o ensino que o filme trás,  sobre gostar ou amar alguém para além das aparências. E minha cor favorita é  amarelo,  então não preciso nem dizer que amo o vestido da amarelo da Bela, né?

Sinopse A Bela e a Fera (2017):

A Bela e a Fera (2017)
Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela tem o pai capturado pela Fera e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade do progenitor.
No castelo ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é na verdade um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

 

Resenha

Para começar, o filme é maravilhoso e extremamente fiel à animação da Disney de 1991. Isso para mim e para a maioria das pessoas é um ponto super positivo. Você quer sentir a nostalgia, os sentimentos e a lembrança de quando você assistiu o filme anos atrás. Para isso a história tem que ser fiel. E essa era a proposta. De filmes e histórias  diferentes da Disney já tem outras produções, muito boas por sinal,  como o longa francês de 2014 que já mencionei lá em cima.

O filme, bem como animação também é um  musical, então você escuta as músicas e já quer sair cantando junto, porque sim, você lembra das letras,  mesmo que apenas em português. O figurino também é lindo e maravilhoso <3

Temos também o acréscimo de algumas cenas, o que torna o filme mais longo que a animação.  Cenas estas que são maravilhosas e só tem a acrescentar no filme.

Vai rolar um pouco de spoiler, só clique  se você já viu o filme ou se não se importa de saber detalhes antes de assistir.

Comentário com SPOILER, clique por sua própria conta e risco!

Temos a cena inicial mostrando o príncipe num baile e a feiticeira chegando e lhe amaldiçoando.  Na animação a história inicial é  contada apenas por meio de imagens paradas mostradas nas folhas de um livro.

Temos a cena da Bela visitando à sua antiga casa em Paris. Nesta casa ela viveu apenas quando era um bebê. Lá descobrimos o que aconteceu com a sua mãe, que morreu pela peste negra.

Efeitos especiais

Na minha opinião os efeitos especiais não deixaram  nada a desejar,  pelo contrário.  Os objetos inanimados, agora animados haha foram bem feitos. A sequência do filme em que os personagens estão servindo o jantar para a Bela, onde há a música  “Be our guest” ou ” À Vontade” em português,  foi muito bem produzida.  É  uma cena difícil de ser feita!

 

Para mim ela tem certa  similaridade com aquela cena do filme da Disney do Aladdin (1992), onde o gênio se apresenta na caverna , brilhante <3 cena igualmente  ou até  ainda mais difícil de ser reproduzida num filme.

 

 

A Fera também achei impecável e bem parecida com o original. A única coisa que me pergunto é: Será que eles não poderiam ter feito o Lumiere (Candelabro) com as feições mais parecidas com a do desenho? Acho que isso não é complicado de fazer.  Mas eles optaram por não deixar ele com cara de vela e fizeram ele numa versão de homenzinho, como se fosse um detalhe do candelabro.

A Bela e a Fera (2017)

Outro que me agoniou um pouco foi a Sra. Potts  (bule), que está bem diferente da animação. Acho que a computação gráfica podia ter melhorado e deixado mais parecido os detalhes dela. O nariz dela no desenho é o bico da chaleira, já no filme os olhos,  boca e nariz são todos desenhados, que agonia haha. Mas claro que isso não é  muita coisa . Mas é  um detalhe.

A Bela e a Fera (2017)

Mas depois me peguei pensando porque eles teriam feito dessa forma, e presumi que as características que eles recriaram nesses objetos animados foi feito de uma forma a deixar eles mais parecidos com objetos do mundo real. Mas isso é só uma hipótese.

 

Atores

A Bela e a Fera (2017) - Imagem de divulgação

A Bela e a Fera (2017) – Imagem de divulgação

Emma Watson,  linda e maravilhosa atriz de quem sou fã há muito tempo porque sou viciada em Harry Potter… haha Quando eu soube que ela iria representar a Bela meu coração palpitou  e eu amei <3 ela ficou muito  bem de Bela. Eu estava louca para vê-la cantando e ela não me decepcionou.  Muita gente disse que ela não dublou bem as músicas mas eu não concordo,  não vi nenhum problema o. O

Mas não acho que é se seja o melhor dos melhores trabalhos da Emma, e falo isso com todo o amor do coração no mundo. Admito que achei ela um pouco presa, as vezes senti que ela precisava se soltar mais . Ficar mais sonhadora. Mas isso não me faz amar menos  a Bela ou a Emma ou o filme.  E muitas vezes esses detalhes que falei devem ser vistos pelo diretor, que não observou isso.

atores 2

Mas de qualquer forma eu amei a Emma como  Bela. A gente não nasce sabendo e fazendo tudo perfeito, né? As coisinhas que ela poderia ter feito melhor ela aprende com o tempo <3 E venhamos e convenhamos,  ela é perfeita pro papel . Muita gente diz que ela  escolheu errado, que deveria ter aceitado “La La Land” ao invés de ” A Bela e a Fera”. Eu discordo totalmente, ela combina muito mais com esse filme.  Só por causa que a Emma Stone (muito divina também por sinal) ganhou o Óscar?  A Emma mesma disse que não se importa com ganhar o Óscar ou não,  contanto que ela faça algo que ela gosta.

A Fera também não decepcionou, com o ator “Dan Stevens”, junto com a  computação gráfica.  Ele me convenceu totalmente. É  engraçado,  acredite ou não , quando eu era criança eu sempre gostei mais da Fera como Fera do quê como príncipe haha sempre que ele se transformava em príncipe eu achava ele feio rs ele tinha um pé bem grande e estranho kkk Ainda não decidi porém como me sinto sobre a Fera quando se transforma em príncipe no longa.

Destaques do filme

O grande destaque deste filme, porém,  na minha humilde opinião, foi do ator “Luke Evans”, como Gaston. Meu Deus,  o que foi essa atuação mais que perfeita ? Ele encarnou o personagem, se duvidar até melhor que a versão da animação.  Palmas e prêmios para ele!! E que voz  ein! Mas quem não lembra dele, ele já participou do terceiro filme da trilogia “O Hobbit”.

A Bela e a Fera (2017) - Imagem de divulgação

A Bela e a Fera (2017) – Imagem de divulgação

Outro que também merece destaque é  o ator “Josh Gad ” que interpretou o Le Fou. Também adorei a atuação e a voz dele ! Depois vamos falar lá na frente sobre a controvérsia que rolou sobre esse personagem,  do fato de a Disney ter insinuado super ultra e mega discretamente que ele é  gay.

A cena na taverna deste dois atores cantando foi simplesmente  brilhante <3

 

Batendo de frente com as críticas

Vi uma imagem circulando no Facebook onde a Bela era retratada como a Fera (Imagem abaixo), ou seja a história seria ao contrário.  Então as pessoas estavam questionando  “ah, e se a Bela fosse a fera? O príncipe ia gostar dela? “. Eu digo, IA SIM.

A Bela e Fera (2017)

Autor desconhecido!

A feiticeira justamente amaldiçoou o príncipe porque ele não se preocupava com os outros e ele julgava todos pela aparência.  Então ele teve que aprender da maneira mais difícil para mudar isto. Porque é justamente isso que trata a Bela e a Fera. O aprendizado do príncipe em perceber o que realmente importa.

E se formos inverter os papéis então temos que inverter tudo. Ou seja, a Bela teria que ter as mesmas características iniciais que o príncipe  tinha na versão original e o príncipe teria que ter as características da  Bela. Ela também teria que se preocupar com as aparências  e aí então feiticeira lhe lançaria a maldição e ela aprenderia o ensinamento.

Eu entendi o questionamento das pessoas, mas não concordo.  Sou feminista e acho que estão distorcendo o significado do filme. Porque ele justamente busca quebrar a questão do padrão de beleza exterior.

Sobre o Le Fou.

A Bela e Fera (2017)

Que escândalo ridículo sobre este personagem ser gay ou não.  É  muito, mas muito discreto, não sei nem se eu teria percebido se não tivessem falado. Tem uma cena de um segundo mais para o fim que aparece o Le Fou dançando com um outro cara.  Eu nem vi isso, quem viu foi meu irmão aí ele me falou.  Vou ter que prestar atenção quando eu assistir de novo.

Síndrome de Estocolmo

Outra crítica que andaram fazendo foi de que a Bela teria Síndrome de Estocolmo. A Síndrome de Estocolmo é uma síndrome onde as vítimas de um sequestro passam a se identificar com seu sequestrador. Mas na minha opinião não é o caso da Bela. Ela mantém sua opinião forte a respeito da Fera, ela se impõe e até recusa a jantar com ele. Só depois quando ela é salva dos lobos por ele que ela se permite sentir alguma empatia. Na verdade ela não o deixa lá para morrer na floresta. Ela simplesmente é humana. Quem deixaria outra pessoa para apodrecer na floresta?

A Bela continua a bater de frente com a Fera, porque ela não aceita ele ser rude. Até que ele percebe que não pode ser a Fera para sempre, voltando a descobrir o ser humano que há tanto tempo ele perdeu dentro de si, e ainda se tornar melhor do que ele era. Com o resgate da parte humana dentro dele, ele passa a tratar a Bela melhor. A partir do momento que ele a trata melhor, obviamente ela também responde melhor a ele. Surge uma amizade.

A própria Emma Watson respondeu sobre essas acusações sobre a Síndrome de Estocolmo. Veja no player abaixo:

Mas enfim.  O filme merece nota 10. Espetacular e eu super, ultra indico. Está na minha lista mental de filmes favoritos. Vou até ver novamente no cinema. E você o que achou ? Já assistiu?  Compartilha aqui com a gente, adoro ler seus cometário *-*

Confira o trailer abaixo:

Aliados – Resenha

Em 16.03.2017   Arquivado em Cinema, Destaque, Dicas, Resenha
Aliados - Resenha

Imagem de divulgação – Aliados

Segunda Guerra Mundial. Espionagem. Amor. Traição. O filme “Aliados” tem tudo disso.

Eu amo filmes que se passam na Segunda Guerra Mundial. Então assim que eu vi o trailer de “Aliados” eu me interessei de cara.

Fiquei entusiasmada, mas vi críticas dizendo que seria um novo “Sr. e Sra. Smith”.  Eu não tenho nada contra esse filme estrelado pelo Brad Pitt e a Angelina Jolie (2005), mas aparentemente muita gente tem haha
Mas apesar de não ser contra, eu não estava esperando por um filme de ação do tipo Sr. e Sra. Smith, porque o próprio trailer  me mostrou uma pegada diferente, estava esperando um suspense.  No fim eu estava certa. “Aliados” não tem nada a ver com que as críticas que eu vi.

Em meio a um cenário de Guerra, os personagens, Max Vatan (Brad Pitt) e Marianne Beausejour (Marion Cotillard), ambos espiões desconhecidos até então um do outro, se encontram numa missão onde devem matar o embaixador nazista no Marrocos.

Durante esta missão ambos se apaixonam e acabam se casando depois na Inglaterra. O ponto de suspense e questão principal,  é quando mais tarde os chefes de Max lhe confrontam a respeito de sua mulher, alegando que na verdade ela é uma espiã alemã.

O filme se desenrola mais a partir daí, nos deixando na dúvida se Marianne Beausejour é realmente uma espiã alemã ou se esse argumento nada mais é que um teste de carreira para o Max.

Opinião – Aliados

Aliados - Resenha

Imagem de divulgação – Aliados

Na minha opinião o filme demora para chegar na questão principal da trama, o que consome praticamente metade do filme. O interesse do espectador é despertado novamente quando Max começa a desconfiar da esposa e ao mesmo tempo tenta provar que ela é inocente.

 Acredito também que ambos os atores poderiam ter sido melhor explorados pelo diretor. Seja explorando a característica pessoal de cada um, bem como o relacionamento deles como casal. A relação dos dois é “atropelada” por um pulo no tempo, de 3 anos, não mostrando o desenvolvimento de amor do casal.  Mas ainda assim a atriz Marion Cottilard dá um show de atuação, sempre gostei do trabalho dela. E aqui ela nos põe realmente em dúvida sobre que lado está, mas nós apenas saberemos no fim do filme. Sem spoilers aqui gente.

O desfecho da trama é muito bom e colabora para a qualidade do filme em si. O longa é ótimo, é interessante de se ver, te prende do início ao fim, apesar de ainda assim não ser uma produção do tipo memorável.

Página 1 de 3123
Clique para subir