Categoria "Música"

Duo Multueira : Resenha do CD + Entrevista exclusiva com o Duo !

Em 20.08.2017   Arquivado em Destaque, Dicas, Música, Resenha
Duo multueira arte

Arte por Mariana Chinato

 

Demorou mais saiu! Hoje temos um post muito especial no blog, sobre o Duo Multueira. O Duo é composto por Pedro Henrique Silva (violão e voz) e Beatriz Woeltje Schmidt (percussão e voz) e foi formado no ano de 2014.

Eu tive a sorte de entrar na mesma turma da faculdade de música (UDESC) deste dupla de músicos e ver a caminhada deles um pouquinho mais de perto. No último dia 08 de agosto fui prestigiá-los no show de lançamento do seu primeiro CD que aconteceu no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) às 20h em Florianópolis.

Para produzirem e lançarem seu CD homônimo, o Duo lançou uma campanha pelo site Benfeitoria. A campanha pelo Benfeitoria contou com a ajuda financeira de 152 pessoas! Incrível, não? Fora outras pessoas que ajudaram de outras maneiras além do site. No Benfeitoria, cada quantia doada gerava uma recompensa para o doador. Por exemplo: Se você doasse 30 reais ganharia uma cópia do CD mais agradecimento especial no encarte e nas redes sociais. Se doasse 60 reais receberia uma cópia do CD, agradecimento no encarte do CD e nas redes sociais e mais uma blusa com a logo do Duo. E assim sucessivamente… Quanto mais você doasse, mais recompensas você teria.

O dinheiro arrecado pelo Duo na campanha foi aproveitado na seguinte forma:

 

Imagem retirada no site do Benfeitoria do Duo Multueira

Você pode ver mais detalhadamente o que foi feito em cada etapa pelo site Benfeitoria/DuoMultueira. Foi tudo muito transparente e bem feito e pudemos ver isto refletido no dia do show de lançamento.

Gravado e masterizado no ValveState Studio, com a mixagem de Francis Pedemonte e a produção artística de Luanda Wilk, o CD também contou com participações especiais de músicos como Nico Nicodemos, Elias Zanon, Israel Dutra, Fábio Melo e Bruno Arceno, os quais também estiveram presentes no show de lançamento no TAC.

Foi interessante acompanhar o Duo se formar, se desenvolver, gravar seu primeiro trabalho, vê-los crescer desde os primeiros shows até agora e perceber um amadurecimento claramente estampado de cabo a rabo nas faixas do seu primeiro CD.

Foto por Laura Biasi

A arte gráfica do álbum é linda, divertida, leve e consegue traduzir o sentimento que as músicas nos transmitem. Proeza esta da artista  Mariana Chinato, responsável pela arte gráfica do CD.

A voz de Pedro soa afinada, limpa, harmoniosa e na medida certa ao se entrelaçar com os outros instrumentos. Já Beatriz nos encanta desde o seu backing vocal até o seu manejo incrível que soa e ressoa ao tocar seus diferentes instrumentos de percussão.

Para quem já acompanha o Duo como eu, já  está ciente e conhece as participações especiais de alguns músicos como Nico Nicodemos em Mulher Beleza, de Elias Zanon e Israel Dutra em Sertão e Zé Otávio em Domingo de Almoço. Todos também são impecáveis e se entrelaçam nas melodias naturalmente. Mas a novidade no CD foi a participação de Fábio Mello no sax tenor e soprano na faixa “Temporal” e de Bruno Arceno na guitarra, em “Lágrimas do Paraguay“, e o que não é surpresa, também se encaixaram perfeitamente nos arranjos musicais.

Cada participação especial conseguiu ser fiel à proposta musical do Duo, sendo que ao mesmo tempo foram capazes de transferir um pouco de si e das suas experiências musicais, refinando ainda mais cada faixa, deixando “um gostinho de quero mais” para os ouvintes, sejam eles leigos ou profissionais da música.

Um trabalho como esse é difícil de classificar, mas cada faixa é única e diferente do que estamos acostumados ouvir hoje em dia nas rádios. É música autoral para se deliciar, seja curtindo ao ouvir sozinho no quarto, no carro, ou num Domingo de almoço com a família.

Mas é incrível como mesmo o CD estando maravilhoso, é ainda mais incrível assistir o show ao vivo e ver a sintonia do Duo e dos outros músicos. A experiência visual do show é diferente da auditiva promovida pelo CD, pois ao vivo podemos nos deliciar com a atmosfera intimista presente desde a montagem do cenário até a própria performance, o que nos convida e incita a curtir o show sem nunca piscar os olhos. Uma das experiências visuais que sempre me encantam é ver  as movimentações da Beatriz mudando de instrumento para instrumento e transformando cada música ao lado de Pedro Henrique.

Entrevista exclusiva com o Duo Multueira

Eu não podia deixar de aproveitar uma oportunidade de entrevistar o Duo Multueira sendo que eu os admiro, os vi crescer, os conheço e estudei com eles. A ideia inicial era fazer uma entrevista ao vivo mas não foi possível devido a minha agenda e a do Duo que não coincidiu. Mas entrei em contato com os dois via internet e perguntei se gostariam de responder a entrevista online, e claro, eles aceitaram! Agradeço aos dois por isso! Acho que o público e os fãs de vocês vão ter uma chance de conhecer um pouco mais sobre vocês e seu trabalho, além de divulgar para aqueles que ainda não os conhecem !

Sem mais delongas acompanhe a entrevista abaixo:

Foto por Laura Biasi


Como surgiu o Duo? E da onde surgiu a ideia do nome “Duo Multueira”?

Beatriz – O Duo surgiu quando o Pedro me convidou para tocar e arranjar as músicas que ele estava compondo, fizemos alguns ensaios inicialmente como trio (com um contrabaixo acústico), mas com alguns imprevistos acabamos ficando como Duo e achamos essa sonoridade, um pouco mais crua, mais interessante. Já o nome do Duo, surgiu a partir da música/poema “Multueira” já composta anteriormente pelo Pedro Henrique, achamos interessante o nome e acabou pegando.

Pedro – Isso, mas acho que os primórdios são de antes né? Quando tivemos ideia de nos juntarmos para montar repertório para tocarmos em bares. Daí surgiu a vontade de fazer só o som autoral.


Quais suas maiores influências musicais? Como você definiria o estilo musical de vocês?

Beatriz – É difícil classificar ou definir o que somos. As influência também nunca foram claras para mim, acho que vem muito da nossa formação auditiva, de observar outros artistas e absorver o que nos toca mais, e com isso tentar transmitir um pouco desse aprendizado quando tocamos para os outros. Acho que também nós dois nos influenciamos musicalmente (rs) e aprendemos muito um com o outro.

Pedro -É, quando pedem para classificar, num geral eu tento nos colocar no universo da MPB, mas isso é muito amplo, e abrange muitas referências… Tudo que é feito de música no Brasil, para as pessoas, é popular, enfim…divagações, hehe! Mas eu tenho umas influências bem fortes, no jeito de escrever, de cantar, de ritmar as canções. Que passam desde Chico César, Lenine, Alceu Valença, Tom Zé, João Bosco e caminham pras origens dos cantos de terreiros, de folguedos, as manifestações populares. Tudo isso é linha, pra gente costurar (:

Duo MultueiraCrespa produções (Lucas Barbosa e Ana Castello)


Qual foi ou quais foram os maiores desafios de vocês no processo de gravação do CD? Como foi o processo de escolha das músicas? Qual o sentimento de lançar o seu primeiro CD?

Beatriz – De modo geral, o processo de gravação foi um grande aprendizado, percebemos que o Duo tem muito a crescer ainda e essa experiência nos fez caminhar nessa direção. A escolha do repertório do CD foi por conta dessas 10 músicas serem as primeiras que arranjamos, apresentamos e tocamos juntos. O sentimento é de muita gratidão a todos(as) que nos ajudaram a lançar esse CD e também de muita felicidade, agora é pensar nos próximos passos.

Pedro – O estúdio, num processo de gravação assim, com tempo contado e mil expectativas, se torna muito intimidador e encantador ao mesmo tempo! Foi uma delícia sentir a adrenalina do “as véras”, hehe, é um passo a mais no sentido profissional da coisa. Gravar, planejar, se organizar, escolher as faixas, fechar os arranjos, a pré produção, o projeto de financiamento ” correndo” tudo girando, muito novo, muito seguros do som que queríamos, e muito contentes, com todas parcerias conquistadas. Todo o processo, nos movimentou muito, foi lindo. Felicidade de termos registrado esse trabalho.

Quais os principais obstáculos que vocês venceram para chegar até aqui? Como as dificuldades no meio artístico, no meio de produção, gravação…

Beatriz – O principal obstáculo foi arrecadar recursos para gravarmos o CD e lançarmos com um show. A plataforma de financiamento coletivo da Benfeitoria nos ajudou muito com isso. Através do site conseguimos arrecadar o suficiente para lançarmos o CD, e ficamos muito felizes com isso. Claro que não foi tão simples, a elaboração do projeto, divulgação constante, e material (foto e vídeo) para lançar a campanha requer muito trabalho e dedicação. Se formos lançar mais um álbum via financiamento coletivo repensaríamos alguns passos, mas ficamos felizes que no final deu tudo certo.

Pedro –  É, eu diria que essa foi a dificuldade do projeto em si, mas que conseguimos agitar e levantar o recurso necessário. Mas num geral, as condições e oportunidades pro artista, no Brasil, e aqui em Floripa, não são tão simples. É sempre uma função, ir tocar, os gastos, a falta de cachê, de apoio, de parcerias. Mas o amor ele pesa bastante na balança, e dá uma adocicada nas correrias.

Duo MultueiraFoto por Crespa produções (Lucas Barbosa e Ana Castello)


Qual a sua música favorita do CD?

Beatriz – É difícil escolher uma. Acho que maldito coração pelo arranjo não tão óbvio e nuances constantes.

Pedro– É, é difícil! Mas eu gosto muito de Temporal, porque me conquista muito as quebras de ritmos e essa pegada mais impulsiva e explosiva. Mas também tem a Bisa… Sutilezas… É complexo escolher, hehe.


Onde as pessoas podem adquirir o CD de vocês?

Beatriz – Com a gente mesmo: Pedro Henrique Silva e Beatriz Schmidt ou com a nossa produção através do e-mail duomultueira@gmail.com

Pedro- Isso, só pedir que a gente envia ou nos encontramos para entregar. Mas todo o CD está disponível nas plataformas de reprodução, Spotify, Deezer, e também no Soundcloud. Só buscar Duo Multueira (:


O show de lançamento correspondeu à expectativa de vocês?

Beatriz – Com certeza! Foi muito bonito ver o grande público que compareceu apoiando e compartilhando aquele momento e também de poder fazer o show com todos os músicos que participaram do CD foi muito bacana. Ficamos muito felizes, de verdade!

Pedro– Total!!! Foi lindo demais, tudo no seu lugar, as passagens, as entradas!


Quais os próximos passos e planos do Duo?

Beatriz– Os próximos passos são planejar novos show para divulgar mais nosso CD e nosso trabalho e também trabalhar nas outras músicas que ficaram de fora do álbum para que futuramente se transformem no segundo CD do Duo Multueira.

Pedro – É, conseguir fazer um circuito, uma circulação seria muito bacana. E divulgar o material nas redes, espalhar pro povo ouvir. E isso, bolando e planejando o próximo material. A próxima estética-atmosfera-pegada!

Incrível, não? Como eu já tinha falado lá em cima antes da entrevista, também acho difícil escolher uma música. Mas quem não fica curioso para saber o que músicos pensam da própria música, não é mesmo?

Em questão dos próximos passos do Duo espero de alguma forma estar contribuindo para a divulgação do mesmo aqui no Blog. Um trabalho deste tipo merece destaque e chance de brilhar Brasil afora. Quem sabe publicando esta resenha aqui mais gente tenha acesso a esse trabalho incrível! Não esqueça que para ouvir o trabalho deles é só procurar pelo Duo Multueira  no SpotifyDeezer e no Soundcloud. Já se quiserem adquirir o CD é só entrar em contato pelo e-mail duomultueira@gmail.com.

Se gostaram do post não esqueçam de curtir e compartilhar nas redes sociais! Assim vocês ajudam a divulgar o trabalho do Duo e o meu trabalho. Se quiser que eu conheça o seu trabalho musical é só entrar em contato comigo através da aba “Contato” acima dos posts em destaques!

Termino o post com um vídeo publicado no próprio canal do Duo que mostra um pouco do processo de gravação do CD. Até a próxima!

Playlist: Para emocionar (ou até te fazer chorar)

Em 09.05.2017   Arquivado em Dicas, Música

Boa noite minha gente. O post de hoje vai ser mais musical. Inspirada pela noite um pouco mais fria, pelo último mês chuvoso aqui em Floripa e dos últimos (e sofridos) meses da faculdade, fiz uma playlist com algumas músicas para te emocionar (e quem sabe até te fazer chorar ). Sei o que você está pensando, mas não é deprimente  assim hahaha São músicas boas… E não quer dizer que eu chore sempre com elas rs Mas se eu não tiver numa vibe boa posso chorar sim haha

Mas são músicas poderosas e fortes. É só clicar no player para conferir as 12 músicas que selecionei para vocês:

 

E então, o que acharam? Eu prometo que a próxima playlist vai ser mais animada hehe O que acham de uma próxima playlist de músicas para academia?

Música: Paramore Last Hope

Em 07.02.2016   Arquivado em Dicas, Música
Foto (Autor desconhecido - Foto de  ulgação) Montagem: Gabriela Mitozo

Foto de divulgação – Montagem por Solta a Voz

Hoje eu vim indicar uma música para vocês, Last Hope, do grupo Paramore. 
Eu já havia escutado essa música antes, mas um dia, quando fui para a praia e ela apareceu para mim na playlist aleatória, eu a escutei de uma forma diferente. Eu consegui ouvir o significado dela.Não estou falando apenas da letra, mas o conjunto da música em si, letra, melodia, harmonia, os instrumentos, cada qual no seu lugar.

Talvez em outros momentos que eu a escutei eu não precisasse ouvir a mensagem que ela passou, mas naquele momento, sim. E foi aí que decidi cantar essa música na minha aula de canto e agora trago ela aqui para vocês para escutarem e verem o significado dela.

 

A banda

Essa música é da banda norte americana “Paramore“. Eu acompanho o trabalho deles desde o lançamento do segundo álbum “Riot” em 2007. Nunca fui num show, mas eu escuto em casa mesmo (Quem sabe quando surgir uma oportunidade). Eles tem 4 álbuns oficias. Atualmente os integrantes originais são: Hayley Williams (Vocalista) e Taylor York (Guitarrista). O último membro a sair foi Jeremy Davis (Baixista) no fim de 2015 pois ele está casado e com uma filhinha pequena para cuidar. Mas a banda anunciou que vai continuar o trabalho e que estão no processo de escrever outro álbum.

 

Interpretação e significado da música

Essa música é sobre ainda ter uma chama dentro de você, um guia, um sonho, um amor, um desejo, um objetivo, enfim algo que te de dá forças para levantar e seguir a vida com força e determinação. Essa fé em algo, a meu ver, reflete no nome da música “Last hope” ( “Última esperança” em português).

>Inclusive na terceira parte ela diz:

“And that’s the hope I have the only thing I know that’s keeping me alive”
“E essa é a esperança que eu tenho a única coisa que sei que me mantém viva”
 

Essa linha traduz o que eu disse no parágrafo acima. Já na segunda parte da letra que diz:

“Every night I try me best to dream, tomorrow makes it better”
“Toda noite tento o meu melhor para sonhar, que amanhã será melhor”

Eu interpreto da seguinte forma : Por exemplo, você deseja algo. Ou ainda para ficar mais claro, você sofre depressão e anseia por algo, talvez aquilo que  te deixou deprimido. Quem já sofreu depressão sabe por exemplo que as vezes tem essa chama dentro da gente falando ali baixinho e é ela, apesar de tudo, que nos dá forças.
Então nós sonhamos de noite, imaginamos as coisas e tudo é diferente, belo e melhor. Bem, até o momento que acordamos e nos deparamos com a realidade. É o que diz a continuação da letra:

“And I wake up to the cold reality, not a thing has changed”
“E eu acordo para a fria realidade, nada mudou”

 
Para quem quiser ver letra e tradução é só clicar na barra abaixo:

 

 Letra e Tradução

I don’t even know myself at all
(Eu nem sequer conheço a mim mesma)
I thought I would be happy by now
(Pensei que estaria feliz a esta altura)
The more I try to push it, I realize
(Quanto mais eu tento forçar, mas eu percebo)
Gotta let go of control
(Que tenho que me libertar do controle)

Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Just let it happen
(Apenas deixar isso acontecer)

It’s just a spark
(É apenas uma faísca)
But it’s enough to keep me going
(Mas é o bastante para que eu continue tentando)
And when it’s dark out
(E quando está escuro lá fora)
No one’s around, it keeps glowing
(E ninguém está por perto, ela continuando brilhando)

Every night I try my best to dream
(Toda noite tento o meu melhor para sonhar)
Tomorrow makes it better
(Amanhã será melhor)
And I wake up to the cold reality
(E eu acordo para a fria realidade)
Not a thing has changed
(Nada mudou)

But it will happen
(Mas vai acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)

— Refrão 2x —

It’s just a spark
(É apenas uma faísca)
But it’s enough to keep me going
(Mas é o bastante para que eu continue tentando)
And when it’s dark out
(E quando está escuro lá fora)
No one’s around, it keeps glowing
(E ninguém está por perto, ela continuando brilhando)

— Refrão 2x —
And the salt in my wounds
(E o sal nas minhas feridas)
Isn’t burning anymore than it used to
(Não arde mais como antes)
It’s not that I don’t feel the pain
(Não é que eu não sita dor)
It’s just I’m not afraid of hurting anymore
(Apenas não tenho mais medo de me ferir)
And the blood in these veins
(E o sangue nestas veias)
Isn’t pumping any less than it ever has
(Não está pulsando menos do que jamais esteve)
And that’s the hope I have
(E essa é a esperança que eu tenho)
The only thing I know is keeping me alive, alive
(A única coisa que eu sei que está me mantendo viva, viva)

— Pré- refrão 2x —
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)
Gotta let it happen
(Tenho que deixar isso acontecer)

— Pré- refrão 2x —

It’s just a spark
(É apenas uma faísca)
But it’s enough to keep me going
(Mas é o bastante para que eu continue tentando)
(So if I let go of control now I can be strong)
(Se eu deixar o controle posso ser forte agora)
And when it’s dark out
(E quando está escuro lá fora)
No one’s around, it keeps glowing
(E ninguém está por perto, ela continuando brilhando)
It’s just a spark
(É apenas uma faísca)
But it’s enough to keep me going
(Mas é o bastante para que eu continue tentando)
(So if I keep my eyes closed with the body whole)
(Então eu mantenho meus olhos fechados com o corpo inteiro)
And when it’s dark out
(E quando está escuro lá fora)
No one’s around, it keeps glowing
(E ninguém está por perto, ela continuando brilhando)

Video

  (Leitor: huhuhul, aleluia, eu quero ouvir logo essa música, Gabriela)  

(Não resisti, tive que fazer esse Gif hehe)

Deixo vocês com o Paramore.  Essa é a versão ao vivo (que também é o videoclipe da música):

Beijos espero que gostem! É só comentar aqui em baixo!

Clique para subir