Categoria "Dicas"

TOP 5 filmes e séries de zumbi que você deve assistir

Em 23.05.2017   Arquivado em Cinema, Destaque, Dicas, Listas

 Boa noite! Estou voltando com meus posts regulares. Vocês devem ter visto que eu não posto faz um tempinho. Não estava conseguindo me organizar para postar por conta da facul e outros compromissos. Então resolvi reorganizar as postagens do blog. Antes os posts saíam terças e quintas. Agora, por enquanto, vou postar todas as terças feiras. Isso não quer dizer que não possa sair um post extra alguma vez durante a semana. Mas de dia fixo será às terças feiras.

Estou pensando em um projeto novo para o blog então fiquem atentos! 🙂

Hoje trago uma lista de filmes de zumbi para vocês conferirem. Quem sabe não fazem uma maratona?  Todos os filmes e séries abaixo eu já assisti, por isso coloquei apenas eles. Existem outros que eu tenho interesse mas ainda não tive oportunidade. Quem sabe eles aparecem em outros posts??? A lista abaixo não está em ordem de preferência.  Vamos lá?

Guerra Mundial Z

Guerra Mundial Z - Zumbi

Uma terrível e misteriosa doença se espalha pelo mundo, transformando as pessoas em uma espécie de zumbi. A velocidade do contágio é impressionante e logo o Governo americano recruta um ex-investigador da ONU (Organização das Nações Unidas) para investigar o que pode estar acontecendo e assim salvar a humanidade, tendo em vista que as previsões são as mais catastróficas possíveis. Gerry Lane (Brad Pitt) tinha optado por dedicar mais tempo a sua esposa Karen (Mireille Enos) e as filhas, mas seu amor a pátria e o desejo de salvar sua família acabam contribuindo para que ele tope a missão. Agora, ele precisa percorrer o caminho inverso da contaminação para tentar entender as causas ou, ao menos, identificar uma maneira de conter o contágio até que se descubra uma cura antes do  apocalipse. Começa uma verdadeira corrida contra o tempo, que mostra-se cada vez mais curto, na medida que a população de humanos não para de diminuir.

Estrelado por Brad Pitt, este filme tem um dos zumbis mais rápidos do cinema rs Guerra Mundial Z é baseado no livro homônimo de Max Brooks. Temos um Brad Pitt como figura paterna que tenta proteger sua família e a nação ao aceitar o pedido da ONU para investigar o que está acontecendo. A ONU promete proteger a família dele se ele prometer ajudá-los.

O filme é cheio de ação atrás de ação. Basicamente temos um ataque desenfreado de zumbis a toda hora. Eles focam mais na relação homem e zumbi neste filme. Talvez tenha sido por isso que eu não tenha gostado tanto desse filme como dos outros dessa lista.

Apesar do filme Resident Evil ter muita ação, é uma pegada diferente de Guerra Mundial Z. Tem uma construção melhor da história. Tanto que o filme teve diversas continuações rs

O final do filme (calma, não vou revelar aqui) foi alterado. Tanto que o lançamento do filme foi adiado. Eu não sei como era o outro final mas eu achei esse interessante.Vi que tem gente que não gostou, mas achei uma boa saída. O final tem relação com uma possível cura. É interessante porque temos alguns sinais sobre essa possível cura durante o longa.

Não é meu filme favorito de Zumbi, mas de qualquer forma eu acho interessante para os amantes do gênero assistirem. A produção é boa, mas existem outras melhores no mercado.

 

Zumbilândia

Zumbilândia - Zumbi

A população mundial foi dizimada devido a um vírus, variante do mal da vaca louca, que faz com que as pessoas se transformem em zumbis. Poucos são os humanos não infectados, entre eles Columbus (Jesse Eisenberg). Ele é um estudante da Universidade do Texas, que deseja voltar para sua cidade natal na esperança de encontrar seus pais ainda vivos. Cheio de fobias, o maior medo de Columbus não são os zumbis, mas os palhaços. No caminho ele encontra Tallahassee (Woody Harrelson), que está indo para a Flórida com o objetivo de aniquilar o maior número possível de zumbis. Columbus pega uma carona com ele. Ao parar em uma mercearia, a dupla enfrenta três zumbis e encontra duas garotas, Wichita (Emma Stone) e sua irmã caçula Little Rock (Abigail Breslin). Só que Little Rock aparenta ter sido mordida por um zumbi, o que divide o grupo sobre o que fazer.

Este filme eu já assisti algumas vezes. É um filme de comédia. Na verdade é bem interessante e trás piadas sobre filmes de zumbis. A narração do filme é feita pelo personagem Columbus, interpretado pelo ator Jesse Eisenberg. 

Já no início do filme nós temos algumas amostras de regras de sobrevivência para um apocalipse zumbi pensadas por Columbus. É uma espécie de sátira de outros filmes do gênero, onde as pessoas morrem de maneiras bem clichês. Como ser atirado do carro por não colocar o cinto de segurança. Assim. Num apocalipse zumbi você morre por não colocar o cinto de segurança? Por favor né? haha Essas regras são bem engraçadas no filme.

No meio da sua trajetória, Columbus encontra o personagem, Tallahassee, interpretado por Woody Harrelson.

Temos também no filme a personagem Wichita, interpretada por Emma Stone, que é irmã da Little Rock, interpretada por Abigail Breslin (lembram do filme Pequena Miss Sunshine? Era ela aquela menininha). Elas apenas confiam uma na outra. Isso complica a relação delas com a dupla Columbus e Tallahassee.

Mas os dois personagens Columbus e Tallahassee encontram ambas as irmãs no meio da estrada pedindo ajuda. Aparentemente uma delas foi mordida por um Zumbi. Eles têm então que decidir o que fazer. Há problemas para se confiar uns nos outros. Mas isso é comum em filmes de Zumbi. O longa também mostra o desenrolar desse encontro, onde eles passam de desconhecidos para amigos e parceiros.

É um filme mais leve para quem não gosta de zumbis, até porque ele é praticamente sobre fazer paródias sobre o tema de filmes de terror, com mais ênfase nos de zumbi. Mas não é um filme bobo do tipo besteirol americano. Acho que é um dos melhores nessa categoria. Na verdade não conheço outro deste gênero.

 

Resident Evil

Resident Evil - Zumbi

Alguma coisa terrível está oculta na “Colméia”, um enorme laboratório subterrâneo utilizado para pesquisa genética que é controlado pela Umbrella, uma dos maiores conglomerados do mundo. Lá há uma epidemia do T-Vírus, uma arma biológica de grande poder que acaba matando todos os cientistas que lá trabalhavam. Na verdade se eles tivessem sido mortos realmente teria sido ótimo, mas todos são transformados em zumbis, que sentem uma fome incontrolável e transformam todas as suas vítimas em outros zumbis. Quando isto acontece Alice (Milla Jovovich), que não sabe bem quem ela é, e Rain Ocampo (Michelle Rodriguez) se integram a um comando que entra na “Colméia” para entender e tentar controlar a situação. Porém isto tem de ser feito muito rápido, pois em três horas “Rainha Vermelha”, o supercomputador que controla o local, o selará para sempre e quem estiver lá dentro estará fatalmente condenado a se tornar um zumbi.

 

Acho que é o único filme dessa lista que fala realmente do porquê as pessoas ficaram como ficaram. Uma explicação. Eu quero rever os filmes de novo pois tem lançamento em breve do último filme da série. Quero relembrar detalhes.Se não me engano foi o primeiro filme de zumbis que assisti. O filme é baseado num jogo homônimo. Eu não sei como é o jogo de Resident Evil, mas eu adorei o filme.

 A história do primeiro filme se passa dentro de um laboratório subterrâneo chamado de “Colméia“. Lá dentro foi liberado um vírus. Dentro da Colméia há um supercomputador inteligente que matou todos que estavam ali dentro quando o vírus foi liberado.
Mais tarde um grupo de agentes entra na Colméia para controle do ocorrido e percebem que as pessoas não estão completamente mortas. Elas viraram zumbis. Aqui neste filme os animais também viram zumbis. Diferente de alguns outros filmes dessa lista que montei para vocês.

Temos a personagem Alice, interpretada por Milla Jovovich, personagem principal, que na primeira cena que aparece é mostrada acordando e sem memória de quem ela é. Outra personagem que faz parte do grupo principal é Rain Ocampo, interpretada por Michelle Rodriguez.  Ambas fazem parte do grupo que entra na Colméia para controlar o acontecido. O porém é que eles devem solucionar tudo em apenas 3 horas pois ao fim desse tempo, o supercomputador que matou todos irá selar a Colméia para sempre, deixando todos presos juntos com os Zumbis.

Invasão Zumbi

Invasão Zumbi

Em um trem de alta velocidade com destino à cidade de Busan, na Coréia do Sul, um vírus misterioso que transforma as pessoas em zumbis acaba se espalhando de maneira devastadora. A cidade de destino da locomotiva conseguiu com sucesso se defender da epidemia, mas até chegar lá eles deverão lutar pelas suas sobrevivências.

 

 

 

 

 

Que filme louco! O filme se passa praticamente inteiro dentro de um trem! Você tem noção disso? E eu não achei nem um pouco cansativo. Não deixa nada a desejar para os filmes hollywoodianos.

A história inicia centrando no pai e filha que estão viajando a caminho de Busan. No meio da viagem um pessoa contaminada entre no trem e vira um zumbi e acaba contaminando o resto dos passageiros. Todos tentam garantir sua sobrevivência. Há uma grande discussão em torno de ajudar o próximo ou salvar a si mesmo. Criamos empatia por uns personagens e antipatia por outros.

Mas tente não se afeiçoar com os personagens. É uma filme estilo da série Game of Thrones. O autor não poupa “ninguém” haha

Assim como em Guerra Mundial Z os zumbis deste filme são SUPER rápidos. Eles se transformam rápido e correm rápido. Parece até aqueles filmes de exorcismo para falar a verdade. Sabe aquelas cenas que as pessoas contorcem o corpo e a cabeça? Pois é… Algo deste tipo.

 

Santa Clarita Diet

santa clarita diet

 

Sheila (Drew Barrymore) e Joel (Timothy Olyphant) são dois corretores de imóveis que compartilham muito mais do que a mesma profissão. Casados e com uma filha adolescente, eles estão descontentes com a vida que levam em Santa Clarita, no subúrbio de Los Angeles. O destino deles começa a mudar quando Sheila passa por uma mudança radical.

 

 

 

 

Eu já fiz uma resenha sobre a 1ª temporada. Você pode ver a resenha completa da primeira temporada da série neste link.

Como eu falei na resenha mais completa no link acima, é uma série de humor negro. É bem diferente da pegadas do filmes e série que coloquei na lista.

Ela tem bastante sarcasmo e zomba da questão do zumbis de certa forma. Tanto que eles nem usam a palavra “Zumbi” .  Basicamente a mãe desta família começa a virar uma morta viva. Ela passa a se interessar  por comer carne crua e logo depois carne humana. Outras coisas começam a passam pelo corpo dela. Mas tudo é diferente pois ela tem consciência do que está acontecendo.

Não é igual a Zumbis que são mortos. Ela vive normalmente a vida dela. Com algumas mudanças, é claro.

O interessante é ver como a família dela se porta diante desta situação. É uma série bem diferente, mas com certeza eu indicaria para quem é fã desse gênero.

 

The Walking Dead

The Walking Dead - Zumbi

Um Apocalipse provoca uma infestação de zumbis na cidade de Cynthiana, em Kentucky, nos Estados Unidos, e o oficial de polícia Rick Grimes (Andrew Lincoln) descobre que os mortos-vivos estão se propagando progressivamente. Ele decide unir-se aos homens e mulheres sobreviventes para que tenham mais força para combater o fenômeno que os atinge. O grupo percorre diferentes lugares em busca de soluções para o problema.

 

 

 

 

Não podia estar fora dessa lista. The Walking Dead é minha segunda série favorita (Game of Thrones ficou na liderança aqui).

E assim. Por que céus essa série é tão boa? Porque não se trata apenas da relação humanos contra zumbis! Mas trata-se principalmente da relação humanos com humanos. O que acontece com a humanidade das pessoas quando ocorre o fim da sociedade como conhecemos hoje? Como ficam as relações? Como as pessoas se tratam? A gente aprende com The Walking Dead que devemos temer mais os vivos do que os mortos.

Sinceramente, é uma série que deve e pode ser vista até por quem não é fã de zumbis (ainda que de qualquer jeito você vá encarar tripas e cenas nojentas).

E é claro. Você cria afeição demais por certos personagens. E isso é muito difícil.Não gostamos de dar tchau para os personagens que amamos, não é mesmo?

The Walking Dead já está indo para a sua 8ª temporada! Muita coisa aconteceu desde o lançamento lá da primeira. Não quer embarcar nessa série também?

 

E então ? O que acharam da lista? Já assistiram algum ou pretendem assistir?

Playlist: Para emocionar (ou até te fazer chorar)

Em 09.05.2017   Arquivado em Dicas, Música

Boa noite minha gente. O post de hoje vai ser mais musical. Inspirada pela noite um pouco mais fria, pelo último mês chuvoso aqui em Floripa e dos últimos (e sofridos) meses da faculdade, fiz uma playlist com algumas músicas para te emocionar (e quem sabe até te fazer chorar ). Sei o que você está pensando, mas não é deprimente  assim hahaha São músicas boas… E não quer dizer que eu chore sempre com elas rs Mas se eu não tiver numa vibe boa posso chorar sim haha

Mas são músicas poderosas e fortes. É só clicar no player para conferir as 12 músicas que selecionei para vocês:

 

E então, o que acharam? Eu prometo que a próxima playlist vai ser mais animada hehe O que acham de uma próxima playlist de músicas para academia?

Crenças limitantes: O que são? Como superá-las e reprogramá-las?

Em 06.04.2017   Arquivado em Auto ajuda, Destaque, Dicas, Espiritual, Reflexão

Eu estava pesquisando sobre crenças limitantes e eu resolvi compartilhar aqui com vocês. Eu quero aplicar estes conhecimentos na minha vida e tirar estas crenças que me limitam.

A primeira vez que eu ouvir falar de crenças limitantes foi num vídeo da Flávia Melissa (acesse o canal dela aqui). Mas faz alguns anos então eu não consigo me lembrar que vídeo foi. Mas eu achei bem legal.

Esses dias eu estava pensando sobre isso e resolvi dar uma pesquisada novamente, porque eu não me lembrava bem como funcionava a questão das Crenças limitantes e não sabia como podia deixar de tê-las ou como eu poderia revertê-las. Eis que surgiu a ideia deste post.

O que são Crenças limitantes?

São crenças que obtivemos em algum momento da nossa vida e que determinam nossos atos. Atos estes que podem nos impedir de realizar determinadas ações que nos trariam algum tipo de benefício, impedindo uma melhora na nossa qualidade de vida.

As crenças limitantes podem se formar em qualquer período da vida, mas elas são mais comuns de serem formadas na infância, quando ainda estamos aprendendo sobre o mundo e descobrindo quais são as nossas verdades. Nós somos moldados pela sociedade a nossa volta. Nossos amigos, colegas, pais e mães, professores e a própria mídia nos influenciam e vão moldando nossa forma de pensar.

Algumas dessas formas de pensar ou pensamentos e ideias que nos foram “jogadas” permanecem conosco até hoje, mesmo que você não se dê conta. O problema é que algumas desses crenças acabam por trazer malefícios, impedindo nossa vida de fluir. Estas são as crenças limitantes.

Estas crenças também podem surgir a partir da sua própria experiência, não apenas da influência dos outros. Você passa a acreditar que algo não é possível porque você não conseguiu atingir tal meta alguma vez, ou mais de uma vez. Então você cria a crença de que você não é bom naquilo. E você se auto-sabota sem perceber.

Descubra suas crenças limitantes

Okay. Já sabemos o que são as crenças limitantes. Agora temos que descobrir QUAIS são as NOSSAS crenças limitantes. Vamos lá?

Faça esse exercício comigo, pois eu também quero descobrir ! Estamos juntos nessa.

Como podemos descobrir? O que pode nos ajudar neste processo?

Precisamos pensar a respeito. Não tem outro jeito. Precisamos refletir e meditar. E meditar nada mais é do que olhar para si mesmo. A partir de várias leituras e dicas sobre o assunto eu montei um “passo a passo” que me ajudou a iniciar este processo de reflexão e que vi que pode dar certo.

  1. Pense nos seus objetivos. O que você quer para você? Para a sua vida familiar, financeira, amorosa, para o seu trabalho? Qual o seu maior objetivo? O que você mais quer nada vida?
  2. Quais são os tipos de pensamento que surgem quando você faz estas perguntas para você mesmo? É nesse momento que podem surgir pensamentos do tipo: “mas eu não tenho como fazer isso porque … bla bla bla”. E você inventa alguma desculpa porque não pode aquele determinado objetivo.
  3. Observe estes pensamentos, principalmente a desculpa que você deu para não alcançar aquele objetivo e anote numa folha de papel.
  4. A desculpa que você deu provavelmente é uma crença limitante.

Eu fiz só um pouquinho desse exercício e já detectei uma crença limitante. Vou sentar e continuar fazendo! Faça você também junto comigo!

Reprogramando suas crenças limitantes

 

Agora que você já sabe quais são suas crenças você tem o poder de mudá-las.

  1. Não deixe a negatividade prevalecer. 

Toda vez que você se perceber pensando de acordo com a sua crença limitante, dando desculpas do tipo “não posso” ou “não consigo” pare e reverta o pensamento para o lado positivo. Pense “eu posso”, “eu consigo”.

Eu sou pianista e quando eu começo a ler uma nova música eu preciso repeti-la trocentas vezes até que ela fique boa. Preciso fazer diversos movimentos com a mão e os dedos até que o movimento se torne automático. Quando eu tenho que alterar alguma coisinha, vamos dizer, tocar uma nota com outro dedo (que parece ser um detalhe bobo mas não é), eu vou ter que repetir mais trocentas vezes para conseguir alterar a maneira que eu tocava antes. Porque meu cérebro já assimilou tocar com o outro dedo do outro jeito. Se eu mudo o dedo ele precisa receber a nova informação várias vezes para se adaptar e depois então ficar no automático novamente.

E é exatamente isso que vai acontecer quando você for reprogramar suas crenças limitantes. Quando você pensar em algo novo e positivo você vai ter que repetir isto muitas vezes. Você precisa reprogramar seu cérebro e nada melhor do que a repetição para isso. Tenha paciência. Você tem que reprogramar anos que seu cérebro ficou pensando de outra forma. Você deve substituir a crença limitante por um crença enriquecedora.

       2. Antes de dormir ou qualquer outro momento que você esteja se sentindo bem e relaxado, feche os olhos e mentalize seu novo modo de pensar.

Se imagine num novo ambiente e torne real na sua mente que você já pensa diferente. Tenha certeza que que mais tarde, com paciência, você deixará apenas de imaginar e isso se tornará real para você também.

Eu refleti sobre estes passos mas ainda não tive tempo de colocá-los 100% em prática, até porque quero descobrir mais crenças limitantes para mudá-las. Irei por estes exercícios em prática pois são tipos de exercícios que eu já venho tentando praticar há algum tempo mas sem ter noção da questão das crenças limitantes. Eu simplesmente tentava aplicar pensamentos positivos, mas eu não conseguia seguir fortemente e logo abandonava os exercícios. Mas agora quero fazer bem consciente e aplicá-los de maneira correta e regular! Me acompanha nestes exercícios?

Descubra as origens das suas crenças limitantes

Este passo eu encaixaria logo após o passo de descobrir quais são minhas crenças limitantes. Mas isso não impede de você continuar se questionando enquanto está no processo de reprogramar suas crenças. Não é algo fixo. Você deve se sentir confortável no processo inteiro.

E por exemplo. A meu ver, pode ser que eu mude a minha crença mas ainda assim não consiga descobrir qual foi a origem dela… Afinal a maioria delas foram obtidas na infância e a memória nem sempre ajuda. Talvez eu tenha que recorrer a amigos ou familiares para me ajudarem a lembrar do passado e me ajudarem a refletir o que pode ter influenciado nessas minhas crenças. Mas também pode ser que eu nunca descubra.

Mas nesse processo vi que devemos nos questionar sobre quem nos disse que não podíamos fazer determinada coisa. Vem algo na sua mente? Infelizmente na minha não… Gostaria de saber onde começou.

Mas também podemos mudar sem saber da origem dela. Podemos pensar “alguém me falou isso, mas não é verdade. Não preciso mais pensar assim”. Ou “Isso aconteceu há muito tempo. Naquela época eu não consegui fazer aquilo e achei que nunca mais poderia fazer”. Mas porque eu nunca mais poderia fazer? Converse consigo mesma e tente entender para onde a sua mente está te levando. Questione-se e tente alterar os pensamentos para a forma mais positiva possível.

Persista nestes exercícios. Mais para frente farei outro post sobre o assunto falando da minha experiência com estes passos citados aqui. Você me acompanha nessa? 

Resenha: A Bela e a Fera (2017)

Em 24.03.2017   Arquivado em Cinema, Destaque, Dicas, Resenha
A Bela e a Fera (2017) - Imagem de divulgação

A Bela e a Fera (2017) – Imagem de divulgação

E chegou a tão aguardada resenha do tão aguardado filme “A Bela e a Fera” da Disney, estrelado pela Emma Watson.

Se você já me acompanha há algum tempo aqui no blog sabe que eu já fiz uma resenha sobre outro filme da Bela e a Fera, um filme francês de 2014, estrelado por ” Léa Seydoux”. Um filme ótimo,  você pode ver a resenha clicando aqui.

Bem, a Bela e a Fera é  meu filme de princesas favorito da Disney . Eu amo o fato da Bela ser assim interessada por livros, como eu haha E eu acho lindo o ensino que o filme trás,  sobre gostar ou amar alguém para além das aparências. E minha cor favorita é  amarelo,  então não preciso nem dizer que amo o vestido da amarelo da Bela, né?

Sinopse A Bela e a Fera (2017):

A Bela e a Fera (2017)
Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela tem o pai capturado pela Fera e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade do progenitor.
No castelo ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é na verdade um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

 

Resenha

Para começar, o filme é maravilhoso e extremamente fiel à animação da Disney de 1991. Isso para mim e para a maioria das pessoas é um ponto super positivo. Você quer sentir a nostalgia, os sentimentos e a lembrança de quando você assistiu o filme anos atrás. Para isso a história tem que ser fiel. E essa era a proposta. De filmes e histórias  diferentes da Disney já tem outras produções, muito boas por sinal,  como o longa francês de 2014 que já mencionei lá em cima.

O filme, bem como animação também é um  musical, então você escuta as músicas e já quer sair cantando junto, porque sim, você lembra das letras,  mesmo que apenas em português. O figurino também é lindo e maravilhoso <3

Temos também o acréscimo de algumas cenas, o que torna o filme mais longo que a animação.  Cenas estas que são maravilhosas e só tem a acrescentar no filme.

Vai rolar um pouco de spoiler, só clique  se você já viu o filme ou se não se importa de saber detalhes antes de assistir.

Comentário com SPOILER, clique por sua própria conta e risco!

Temos a cena inicial mostrando o príncipe num baile e a feiticeira chegando e lhe amaldiçoando.  Na animação a história inicial é  contada apenas por meio de imagens paradas mostradas nas folhas de um livro.

Temos a cena da Bela visitando à sua antiga casa em Paris. Nesta casa ela viveu apenas quando era um bebê. Lá descobrimos o que aconteceu com a sua mãe, que morreu pela peste negra.

Efeitos especiais

Na minha opinião os efeitos especiais não deixaram  nada a desejar,  pelo contrário.  Os objetos inanimados, agora animados haha foram bem feitos. A sequência do filme em que os personagens estão servindo o jantar para a Bela, onde há a música  “Be our guest” ou ” À Vontade” em português,  foi muito bem produzida.  É  uma cena difícil de ser feita!

 

Para mim ela tem certa  similaridade com aquela cena do filme da Disney do Aladdin (1992), onde o gênio se apresenta na caverna , brilhante <3 cena igualmente  ou até  ainda mais difícil de ser reproduzida num filme.

 

 

A Fera também achei impecável e bem parecida com o original. A única coisa que me pergunto é: Será que eles não poderiam ter feito o Lumiere (Candelabro) com as feições mais parecidas com a do desenho? Acho que isso não é complicado de fazer.  Mas eles optaram por não deixar ele com cara de vela e fizeram ele numa versão de homenzinho, como se fosse um detalhe do candelabro.

A Bela e a Fera (2017)

Outro que me agoniou um pouco foi a Sra. Potts  (bule), que está bem diferente da animação. Acho que a computação gráfica podia ter melhorado e deixado mais parecido os detalhes dela. O nariz dela no desenho é o bico da chaleira, já no filme os olhos,  boca e nariz são todos desenhados, que agonia haha. Mas claro que isso não é  muita coisa . Mas é  um detalhe.

A Bela e a Fera (2017)

Mas depois me peguei pensando porque eles teriam feito dessa forma, e presumi que as características que eles recriaram nesses objetos animados foi feito de uma forma a deixar eles mais parecidos com objetos do mundo real. Mas isso é só uma hipótese.

 

Atores

A Bela e a Fera (2017) - Imagem de divulgação

A Bela e a Fera (2017) – Imagem de divulgação

Emma Watson,  linda e maravilhosa atriz de quem sou fã há muito tempo porque sou viciada em Harry Potter… haha Quando eu soube que ela iria representar a Bela meu coração palpitou  e eu amei <3 ela ficou muito  bem de Bela. Eu estava louca para vê-la cantando e ela não me decepcionou.  Muita gente disse que ela não dublou bem as músicas mas eu não concordo,  não vi nenhum problema o. O

Mas não acho que é se seja o melhor dos melhores trabalhos da Emma, e falo isso com todo o amor do coração no mundo. Admito que achei ela um pouco presa, as vezes senti que ela precisava se soltar mais . Ficar mais sonhadora. Mas isso não me faz amar menos  a Bela ou a Emma ou o filme.  E muitas vezes esses detalhes que falei devem ser vistos pelo diretor, que não observou isso.

atores 2

Mas de qualquer forma eu amei a Emma como  Bela. A gente não nasce sabendo e fazendo tudo perfeito, né? As coisinhas que ela poderia ter feito melhor ela aprende com o tempo <3 E venhamos e convenhamos,  ela é perfeita pro papel . Muita gente diz que ela  escolheu errado, que deveria ter aceitado “La La Land” ao invés de ” A Bela e a Fera”. Eu discordo totalmente, ela combina muito mais com esse filme.  Só por causa que a Emma Stone (muito divina também por sinal) ganhou o Óscar?  A Emma mesma disse que não se importa com ganhar o Óscar ou não,  contanto que ela faça algo que ela gosta.

A Fera também não decepcionou, com o ator “Dan Stevens”, junto com a  computação gráfica.  Ele me convenceu totalmente. É  engraçado,  acredite ou não , quando eu era criança eu sempre gostei mais da Fera como Fera do quê como príncipe haha sempre que ele se transformava em príncipe eu achava ele feio rs ele tinha um pé bem grande e estranho kkk Ainda não decidi porém como me sinto sobre a Fera quando se transforma em príncipe no longa.

Destaques do filme

O grande destaque deste filme, porém,  na minha humilde opinião, foi do ator “Luke Evans”, como Gaston. Meu Deus,  o que foi essa atuação mais que perfeita ? Ele encarnou o personagem, se duvidar até melhor que a versão da animação.  Palmas e prêmios para ele!! E que voz  ein! Mas quem não lembra dele, ele já participou do terceiro filme da trilogia “O Hobbit”.

A Bela e a Fera (2017) - Imagem de divulgação

A Bela e a Fera (2017) – Imagem de divulgação

Outro que também merece destaque é  o ator “Josh Gad ” que interpretou o Le Fou. Também adorei a atuação e a voz dele ! Depois vamos falar lá na frente sobre a controvérsia que rolou sobre esse personagem,  do fato de a Disney ter insinuado super ultra e mega discretamente que ele é  gay.

A cena na taverna deste dois atores cantando foi simplesmente  brilhante <3

 

Batendo de frente com as críticas

Vi uma imagem circulando no Facebook onde a Bela era retratada como a Fera (Imagem abaixo), ou seja a história seria ao contrário.  Então as pessoas estavam questionando  “ah, e se a Bela fosse a fera? O príncipe ia gostar dela? “. Eu digo, IA SIM.

A Bela e Fera (2017)

Autor desconhecido!

A feiticeira justamente amaldiçoou o príncipe porque ele não se preocupava com os outros e ele julgava todos pela aparência.  Então ele teve que aprender da maneira mais difícil para mudar isto. Porque é justamente isso que trata a Bela e a Fera. O aprendizado do príncipe em perceber o que realmente importa.

E se formos inverter os papéis então temos que inverter tudo. Ou seja, a Bela teria que ter as mesmas características iniciais que o príncipe  tinha na versão original e o príncipe teria que ter as características da  Bela. Ela também teria que se preocupar com as aparências  e aí então feiticeira lhe lançaria a maldição e ela aprenderia o ensinamento.

Eu entendi o questionamento das pessoas, mas não concordo.  Sou feminista e acho que estão distorcendo o significado do filme. Porque ele justamente busca quebrar a questão do padrão de beleza exterior.

Sobre o Le Fou.

A Bela e Fera (2017)

Que escândalo ridículo sobre este personagem ser gay ou não.  É  muito, mas muito discreto, não sei nem se eu teria percebido se não tivessem falado. Tem uma cena de um segundo mais para o fim que aparece o Le Fou dançando com um outro cara.  Eu nem vi isso, quem viu foi meu irmão aí ele me falou.  Vou ter que prestar atenção quando eu assistir de novo.

Síndrome de Estocolmo

Outra crítica que andaram fazendo foi de que a Bela teria Síndrome de Estocolmo. A Síndrome de Estocolmo é uma síndrome onde as vítimas de um sequestro passam a se identificar com seu sequestrador. Mas na minha opinião não é o caso da Bela. Ela mantém sua opinião forte a respeito da Fera, ela se impõe e até recusa a jantar com ele. Só depois quando ela é salva dos lobos por ele que ela se permite sentir alguma empatia. Na verdade ela não o deixa lá para morrer na floresta. Ela simplesmente é humana. Quem deixaria outra pessoa para apodrecer na floresta?

A Bela continua a bater de frente com a Fera, porque ela não aceita ele ser rude. Até que ele percebe que não pode ser a Fera para sempre, voltando a descobrir o ser humano que há tanto tempo ele perdeu dentro de si, e ainda se tornar melhor do que ele era. Com o resgate da parte humana dentro dele, ele passa a tratar a Bela melhor. A partir do momento que ele a trata melhor, obviamente ela também responde melhor a ele. Surge uma amizade.

A própria Emma Watson respondeu sobre essas acusações sobre a Síndrome de Estocolmo. Veja no player abaixo:

Mas enfim.  O filme merece nota 10. Espetacular e eu super, ultra indico. Está na minha lista mental de filmes favoritos. Vou até ver novamente no cinema. E você o que achou ? Já assistiu?  Compartilha aqui com a gente, adoro ler seus cometário *-*

Confira o trailer abaixo:

Aliados – Resenha

Em 16.03.2017   Arquivado em Cinema, Destaque, Dicas, Resenha
Aliados - Resenha

Imagem de divulgação – Aliados

Segunda Guerra Mundial. Espionagem. Amor. Traição. O filme “Aliados” tem tudo disso.

Eu amo filmes que se passam na Segunda Guerra Mundial. Então assim que eu vi o trailer de “Aliados” eu me interessei de cara.

Fiquei entusiasmada, mas vi críticas dizendo que seria um novo “Sr. e Sra. Smith”.  Eu não tenho nada contra esse filme estrelado pelo Brad Pitt e a Angelina Jolie (2005), mas aparentemente muita gente tem haha
Mas apesar de não ser contra, eu não estava esperando por um filme de ação do tipo Sr. e Sra. Smith, porque o próprio trailer  me mostrou uma pegada diferente, estava esperando um suspense.  No fim eu estava certa. “Aliados” não tem nada a ver com que as críticas que eu vi.

Em meio a um cenário de Guerra, os personagens, Max Vatan (Brad Pitt) e Marianne Beausejour (Marion Cotillard), ambos espiões desconhecidos até então um do outro, se encontram numa missão onde devem matar o embaixador nazista no Marrocos.

Durante esta missão ambos se apaixonam e acabam se casando depois na Inglaterra. O ponto de suspense e questão principal,  é quando mais tarde os chefes de Max lhe confrontam a respeito de sua mulher, alegando que na verdade ela é uma espiã alemã.

O filme se desenrola mais a partir daí, nos deixando na dúvida se Marianne Beausejour é realmente uma espiã alemã ou se esse argumento nada mais é que um teste de carreira para o Max.

Opinião – Aliados

Aliados - Resenha

Imagem de divulgação – Aliados

Na minha opinião o filme demora para chegar na questão principal da trama, o que consome praticamente metade do filme. O interesse do espectador é despertado novamente quando Max começa a desconfiar da esposa e ao mesmo tempo tenta provar que ela é inocente.

 Acredito também que ambos os atores poderiam ter sido melhor explorados pelo diretor. Seja explorando a característica pessoal de cada um, bem como o relacionamento deles como casal. A relação dos dois é “atropelada” por um pulo no tempo, de 3 anos, não mostrando o desenvolvimento de amor do casal.  Mas ainda assim a atriz Marion Cottilard dá um show de atuação, sempre gostei do trabalho dela. E aqui ela nos põe realmente em dúvida sobre que lado está, mas nós apenas saberemos no fim do filme. Sem spoilers aqui gente.

O desfecho da trama é muito bom e colabora para a qualidade do filme em si. O longa é ótimo, é interessante de se ver, te prende do início ao fim, apesar de ainda assim não ser uma produção do tipo memorável.

Página 1 de 41234
Clique para subir